sábado, 29 de dezembro de 2012

seu olhar melhora o meu...

O Seu Olhar
(Arnaldo Antunes)

O seu olhar lá fora
O seu olhar no céu
O seu olhar demora
O seu olhar no meu

O seu olhar seu olhar melhora
Melhora o meu

Onde a brasa mora
E devora o breu
Como a chuva molha
O que se escondeu

O seu olhar seu olhar melhora
Melhora o meu

O seu olhar agora
O seu olhar nasceu
O seu olhar me olha
O seu olhar é seu

O seu olhar seu olhar melhora
Melhora o meu...

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

clarezas de Clarice...

Meu Deus, me dê a coragem
de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites,
todos vazios de Tua presença.
Me dê a coragem de considerar esse vazio
como uma plenitude.
(...)
Faça com que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir
como se estivesse plena de tudo.
Receba em teus braços
o meu pecado de pensar.

(Clarice Lispector)

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

lado de dentro...

... Mesmo calada a boca, resta o peito... 
(Chico Buarque)

domingo, 9 de dezembro de 2012

sábado, 8 de dezembro de 2012

pitangueira...

bem-te-vi fez ninho
entre as pitangas maduras
colho-as de mansinho

(Maria Valéria Rezende)

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

sem fim...


Canção mínima
Cecília Meireles

"No mistério do Sem-Fim,
equilibra-se um planeta.
E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro:
no canteiro, uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,
entre o planeta e o Sem-Fim,
a asa de uma borboleta." 

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

ousadia...


amar é um elo
entre o azul
e o amarelo.
(Paulo Leminski)

a ciência de Daniela...

13 És tu Daniel (...)?
14 Ouvi dizer que possuis o espírito dos deuses, e que em ti se acham ciência, entendimento e sabedoria  em grau superior.
(Daniel, 5: 13 - 14 - Sagradas Escrituras)

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

oração...

"Concede-me, Senhor, a graça de ser boa,
De ser o coração singelo que perdoa,
A solícita mão que espalha, sem medidas,
Estrelas pela noite escura de outras vidas
E tira d'alma alheia o espinho que magoa."
(Helena Kolody)

domingo, 18 de novembro de 2012

rio do tempo...

Esquecimento


Tenta esquecer-me… 
Ser lembrado é como evocar 
Um fantasma… 
Deixa-me ser o que sou, 
O que sempre fui, um rio que vai fluindo… 
Em vão, em minhas margens cantarão as horas, 
Me recamarei de estrelas como um manto real, 
Me bordarei de nuvens e de asas, 
Às vezes virão a mim as crianças banhar-se… 
Um espelho não guarda as coisas refletidas! 
E o meu destino é seguir… é seguir para o mar, 
As imagens perdendo no caminho… 
Deixa-me fluir, passar, cantar… 
Toda a tristeza do rio
É não poder parar!

domingo, 11 de novembro de 2012

lua de areia...

Cada onda 
reflete na areia 
a nova lua cheia.
(Alice Ruiz)

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

terça-feira, 6 de novembro de 2012

outro dia amanhece...

 
O que será ser só
Quando outro dia amanhecer?
Será recomeçar?
Será ser livre sem querer? 
(Chico Buarque)

domingo, 28 de outubro de 2012

serenidade...

A Serenidade de um Buda
Giordano Cimadon (1/09/2011)

Contam as lendas orientais que Buda estava passando por uma aldeia quando algumas pessoas começaram a insultá-lo. Eles usaram todo tipo de insulto que puderam, todos os palavrões que sabiam. Buda ficou ali, ouvindo tudo em silêncio, com muita atenção, e então disse: 
Obrigado por me procurarem mas estou com pressa. Tenho que chegar à próxima aldeia, onde há pessoas me esperando. Não posso dedicar mais tempo a vocês hoje, mas amanhã voltarei e terei mais tempo. Amanhã, se quiserem me dizer mais alguma coisa que não puderam dizer hoje, poderão me dizer. Mas hoje, terão que me desculpar.
Aquelas pessoas mal podiam acreditar no que viam e ouviam. Ele continuava absolutamente impassível, imperturbável.
Uma delas perguntou:
Você não nos ouviu? Estamos tratando você da pior maneira possível e você nem sequer reage!
Buda disse:
Se queriam uma resposta, chegaram tarde demais. Deveriam ter vindo há dez anos atrás, quando eu responderia a vocês. Mas nesses últimos dez anos eu deixei de ser manipulado pelos outros. Não sou mais um escravo, sou senhor dos meus atos.
Ajo de acordo comigo mesmo, de acordo com minha necessidade interior, e não de acordo com ninguém. Vocês não podem me forçar a nada. Não há problema nenhum, vocês queriam me maltratar, me maltrataram. Fiquem satisfeitos, cumpriram bem sua tarefa. Mas como não levei em conta seus insultos, agora eles não significam nada.
E complementou:
Alguém pode jogar uma tocha acesa num rio, ela continuará queimando até tocar a água, quando então o fogo se extinguirá. Eu me tornei um rio. Você cospe insultos em mim, eles são como fogo, mas no momento em que atinge minha serenidade, ele se extinguirá. Você atira espinhos, mas ao cair no meu silêncio, eles se tornam flores. Isto é agir de acordo com minha própria natureza intrínseca.

Extraído de: http://www.sgi.org.br/budismo/a-serenidade-de-um-buda/

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

o anjo da gratidão...


É muito importante sentir gratidão por tudo aquilo que já conseguimos realizar. Olhar para aquilo que ainda não somos em detrimento do que somos aqui e agora é esquecer da maravilhosa fonte de energias espirituais que flui eternamente em nossas vidas. O sentimento de gratidão preenche o nosso coração e eleva as vibrações de tudo à nossa volta.
Agradeço e aprecio cada momento consciente da minha vida.
(extraído dos pensamentos de Sônia Café)

perder-se também é o caminho...


A MIRAGEM NO CAMINHO (1978)

Perdeu-se em nada,
caminhou sozinho,
a perseguir um grande sonho louco.
(E a felicidade
era aquele pouco
que desprezou ao longo do caminho).
Helena Kolody

alma peregrina...

"Está bem, Ouvinte. Prepara-te, pois terás que viajar sozinho. O Instrutor pode apenas indicar o caminho. A Senda é uma para todos; os meios para chegar à meta variam com os peregrinos."
(Helena Blavatsky - A Voz do Silêncio)

terça-feira, 23 de outubro de 2012

lua...

Lua não conhecia o Sol. Delicada, não resistiria. 
— Se olhar de frente, perderá os olhos! — era o que diziam. 
Curiosa, passava as noites perguntando como era o dono do dia. 
Estrela nenhuma respondia.
 Inconformada, resolveu conhecê-lo testando o que diziam. 
Quando todos saíram da missa, Lua apareceu. 
Não feriu os olhos. 
A dama da noite fez o dia escurecer, conhecendo o sol do meio-dia.

... lua




Eu tenho pena da Lua!
Tanta pena, coitadinha,
Quando tão branca, na rua
A vejo chorar sozinha!...

As rosas nas alamedas,
E os lilases cor da neve
Confidenciam de leve
E lembram arfar de sedas

Só a triste, coitadinha...
Tão triste na minha rua
Lá anda a chorar sozinha...

Eu chego então à janela:
E fico a olhar para a lua...
E fico a chorar com ela! ...
(Florbela Espanca)

domingo, 21 de outubro de 2012

menina...

o menino me ensina 
como um velho sábio 
o quanto sou menina 
(Alice Ruiz)

sábado, 20 de outubro de 2012

L.

O que existe depois do fim?

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

um beijo à Hilda...


Poema de Carlos Drummond de Andrade à Hilda Hilst

Abro a folha da manhã
Por entre espécies grã-finas
Emerge de musselinas
Hilda, estrela Aldebarã.

Tanto vestido enfeitado
Cobre e recobre de vez
Sua preclara nudez
Me sinto mui perturbado.

Hilda girando boates
Hilda fazendo chacrinha
Hilda dos outros, não minha
Coração que tanto bates.

Mas chega o Natal
e chama a ordem Hilda.
Não vez que nesses teus giroflês
Esqueces quem tanto te ama?

Então Hilda, que é sab(ilda)
Manda sua arma secreta:
um beijo em morse ao poeta.
Mas não me tapeias, Hilda.

Esclareçamos o assunto.
Nada de beijo postal
No Distrito Federal
o beijo é na boca e junto.

o beijo mais lindo de todos os tempos...

ícone...

terça-feira, 16 de outubro de 2012

beijo da saudade...

depois do beijo
a dor na boca
dá saudade

agora
a saudade
da dor na boca

depois
saudade da saudade...

(Alice Ruiz - Dois em Um)

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Έρως και Ψυχή

Eros e Psique

Conta a lenda que dormia
Uma Princesa encantada
A quem só despertaria
Um Infante, que viria
De além do muro da estrada.

Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A Princesa Adormecida,
Se espera, dormindo espera,
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, uma grinalda de hera.

Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Rompe o caminho fadado,
Ele dela é ignorado,
Ela para ele é ninguém.

Mas cada um cumpre o Destino
Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora,

E, inda tonto do que houvera,
À cabeça, em maresia,
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.

    (Fernando Pessoa)

sábado, 13 de outubro de 2012

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

beijo de flor...

Escrevi o nome teu
Na branca areia do mar
Vieram as ondas brincando 
Teu lindo nome beijar
(Florbela Espanca)

terça-feira, 9 de outubro de 2012

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

sweet kiss...

only time...

nunca te beijei...

Os Versos Que Te Fiz

Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder…
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer!

Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda…
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!

Amo-te tanto! E nunca te beijei…
E nesse beijo, amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz!
(Florbela Espanca - Livro de Soror Saudade)

sábado, 6 de outubro de 2012

beijo de Rodin...


Soneto
(Chico Buarque)

Por que me descobriste no abandono
Com que tortura me arrancaste um beijo
Por que me incendiaste de desejo
Quando eu estava bem, morta de sono

Com que mentira abriste meu segredo
De que romance antigo me roubaste
Com que raio de luz me iluminaste
Quando eu estava bem, morta de medo

Por que não me deixaste adormecida
E me indicaste o mar, com que navio
E me deixaste só, com que saída

Por que desceste ao meu porão sombrio
Com que direito me ensinaste a vida
Quando eu estava bem, morta de frio

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Der Kuss...

meus melhores beijos serão seus...

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

.'. sol e lua .'.


Doce é sentir
Doce é sentir em meu coração
Que humildemente vai nascendo o amor.
Doce é saber, não estou sozinho,
Sou parte de uma imensa vida,
Que generosa reluz em torno de mim,
Imenso Dom do teu amor sem fim.
O Céu nos destes e as Estrelas claras,
Nosso Irmão Sol, nossa Irmã a Luz
Nossa Mãe Terra com frutos, campos, flores.
O Fogo e o Vento, o Ar e a Água pura,
Fonte de Vida de tuas criaturas,
Imenso Dom do teu amor sem fim! 
(Cânticos de São Francisco de Assis)

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

... amado...



Sinto absoluto o dom de existir,
Não há solidão, nem pena
Nessa doação, milagres do amor
Sinto uma extensão divina...

... Miguel


Poema da purificação

Depois de tantos combates
o anjo bom matou o anjo mau
e jogou seu corpo no rio.

As águas ficaram tintas
de um sangue que não descorava
e os peixes todos morreram.

Mas uma luz que ninguém soube
dizer de onde tinha vindo
apareceu para clarear o mundo,
e outro anjo curou a ferida
do anjo batalhador.
(Carlos Drummond de Andrade)

perder para encontrar...


Amar!
Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... para me encontrar...
(Florbela Espanca)

a eterna solidão do ser...

"Escrevo, triste, no meu quarto quieto, sozinho como sempre tenho sido, sozinho como sempre serei. E penso se a minha voz, aparentemente tão pouca coisa, não encarna a substância de milhares de vozes, a fome de dizerem-se de milhares de vidas, a paciência de milhões de almas submissas como a minha ao destino quotidiano, ao sonho inútil, à esperança sem vestígios. Nestes momentos meu coração pulsa mais alto por minha consciência dele. Vivo mais porque vivo maior."
(outra pessoa de Fernando)

... lembranças do que não foi...


"Ah, não há saudades mais dolorosas do que as das coisas que nunca foram!" 
(uma pessoa de Fernando)

terça-feira, 2 de outubro de 2012

jovens anjos...


mestre Agrippa...



Joana, minha querida mestra, professora de Astrologia, que já não está mais entre nós, certa vez me disse que eu não precisava procurar livros, que eu ficasse tranquila que eles viriam até mim. Por muitas vezes isso aconteceu. Uma vez, caminhando por um sebo, um livro despencou da estante na minha cabeça. Era um livro sobre magia Wicca e claro que não titubeei em adquiri-lo. Outra, uma menina, que me viu uma única vez na vida, mandou-me uma tradução do Anjo Guardião, nunca pude nem mesmo agradecê-la. E por muitas outras vezes livros me apareceram ou me foram dados de presente. Inclusive, herdei parte da biblioteca de Joana, que cuido e estudo com o maior respeito. Já Tereza, minha outra mestra e orientadora, disse-me que o que eu procurava não estava nos livros, que eu tivesse paciência que um dia eu encontraria as respostas que tanto busco. Mas enquanto as respostas não vem pelo meu próprio mérito, continuo a buscar nos livros. Outro dia comentei que tinha esperança de um dia encontrar um manuscrito decrépito de algum velho alquimista. Pois não é que me chegou às mãos um manual de filosofia oculta do renascentista Cornelius Agrippa!... Não é o tipo de livro que se vê nas livrarias. Tem 1103 páginas e a capa está zelosamente guardada por uma serpente, possivelmente uma alusão à árvore do conhecimento do bem e do mal. Estava em cima de uma caixa na casa de um querido amigo, sob a égide de um de meus números mágicos. Curiosa, peguei o tesouro para examiná-lo melhor e ouvi a voz de meu amigo “Arye, é seu, comprei esse livro para você em um sebo em Curitiba.” Indescritível alegria. Eu, que venho experimentando uma fase introspectiva e solitária, pensei comigo: puxa, se devo ficar só, que eu fique só cercada de livros e de conhecimento. Vamos ver o que mestre Agrippa tem a me ensinar...

antes do fim do mundo...

Antes que o mundo acabe,
deita-te e prova
Esse milagre do gosto
Que se fez na minha boca
Enquanto o mundo grita
Belicoso...
E nos cobrimos de beijos 
E de flores...
...antes que o mundo se acabe. 
Antes que acabe em nós 
Nosso desejo.
(Hilda Hilst)

... incessante amanhecer


Amanhecer de novo

Caminhos
Algo lógico
Obscura permanência
Rota certeira
Nas plumas, adventos.

Proeza, andar solitário
Febril companheira
Dizeres perdidos
Asas de calmaria
Contrários em harmonia

Segurança em elos perdidos
Teorias que vão ou ficam
Mesclagem  de dor, amor, suor
Pura objetividade
Na tormenta de possuir-TE

Suas faces, sem iguaria...
Simplicidade guarnecida de paragens aladas
Agito constante
Amanhecer que acontece incessante
Em sua benevolência  insentida.

Broto novo, alma incabida
Nos ares, nos sonhos
Na vida

Como balanço arbóreo
Insigne, insensato, neutro
Acontece...
Viajante perdido
Sendo somente o que representa
Sem termos, fenomenologias.
Centro.

(M.A)
30/11/1993

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

a voz da noite...

O sol se apaga.
De mansinho
a sombra cresce.

A voz da noite
diz baixinho:
esquece... esquece... 
(Helena Kolody)

... utopias


Das utopias...
Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!
(Mario Quintana)

... proezas da leveza...

A resposta

Conduz-te às entranhas do afago.
Conduz-te aos elos dourados do além.
Conduz-te à excelência de possuir
a fortaleza divina sem limites.
Porque teu semblante é neutro
e suas fenomenologias se ajustam
ao tudo na incessante fervura dos
acontecimentos.

Conduz-te aos labirintos da rosa,
no despetalar constante,
na brisa fresca que navega,
sob as ondas que dançam incessantes
na real candura.

Produza-te qual arsenal de pontos
refletindo-se no branco da flama,
e exala o calor que dissipa as dores
e acalma o ventre sofrido.

Encaixe-se nas proezas da asa delta que
pronuncia
a leveza da nobre jornada
sem rumos,
à deriva...
(Maria Augusta Alves Pimenta)

... desapego do ego



As metamorfoses que alma é obrigada enfrentar em determinados momentos de sua existência nem sempre são fáceis. Estou passando por um período de muitas mudanças e provações. Quem me conhece sabe que sou uma leonina vaidosa e no momento estou sendo obrigada a abrir mão da minha vaidade. Além das mudanças no corpo, impostas pela idade, cortei o cabelo numa tentativa de parecer mais “moderna”. Eu, que sou adepta dos super-curtos, acho que dessa vez exagerei, ou o melhor, o cabeleireiro exagerou na “inovação”. Sinto-me como uma monja franciscana. Sempre digo a mim mesma, “tudo bem, cabelo cresce”, mas dessa vez mexeu com os meus brios femininos. Curioso como o cabelo, elemento de sedução feminina, influencia o estado de espírito de uma mulher. Olhando-me no espelho hoje pela manhã, já resignada, tentei ver o lado bom da situação, pensei que devo tirar alguma boa lição dessa minha nova condição e desapegar-me do meu ego. O momento é de recolhimento e introspecção. Vou aproveitar para praticar o desapego do prazer da bebida e da comida... pois dizem que há importantes ensinamentos na abstinência... orar e jejuar é preciso...

Da revelação divina, pronta – exposta – neutra
Assim, obscura permanência
Transcende em mim
As neutras acoplas d`Ele
enternecidas ondas em calmaria
Sem véu, sem iguaria
CENTRO.   
(M.A.)